Ez - 23.24 - E virão contra ti com carros, carretas e rodas, e com multidão de povos; e se colocarão contra ti em redor com paveses, e escudos e capacetes; e porei diante deles o juízo, e julgar-te-ão segundo os seus juízos.


Você está aqui: Home › Matérias › Educação Cristã
10/09/2012
Romanos Lições 9 a 13

Lição 09

A Luta contra o pecado

Romanos 7.7-25

 

1. Como as perguntas que Paulo faz nos versículos 7 e 13 fundamentam esta passagem?

            Resposta: Paulo queria ter a certeza de que seus leitores não tivessem concluído (dos vs 4-6) que a lei por si mesma era má (cf. V12). O fato de a lei revelar, excitar e condenar o pecado, trazendo a morte ao pecador, não significa que a lei é má (cf. v.7). Ao contrário, a lei é um reflexo perfeito do caráter santo de Deus e o padrão para os cristãos satisfazê-lo. O pecado, e não a boa lei, é a causa da morte espiritual (v.13). Uma consciência da verdadeira natureza do pecado e do seu caráter mortal, que leva o pecador ver a sua necessidade da salvação - o propósito para o qual Deus quis que a lei servisse (Gl 3.19-22)

 

2. Leia o versículo 7. O que Paulo disse anteriormente que pode nos levar à conclusão de que a lei é pecado?

            Resposta: Anteriormente, no v.5, Paulo diz as "paixões pecaminosas postas em realce pela lei operavam em nossos membros". E por isso alguns leitores poderiam entender que a Lei é que trazia o pecado, contudo ela apenas o realça! A natureza rebelde dos incrédulos é despertada quando são feitas restrições a ele, fazendo com que ele queira fazer as próprias coisas que a lei proíbe. Mas a lei não é pecaminosa, ela é apenas o padrão divino.

 

3. Como a lei criou em Paulo uma viva consciência do pecado?

            Resposta: Quando ele começou a entender as verdadeiras exigências da lei moral de Deus em algum momento anterior a sua conversão. Ele se conscientizou de sua condição de pecador desesperadamente perverso (1 Tm1.15). Espiritualmente, ele tomou ciência de sua morte; de que todas as suas credencias e realizações religiosas eram coisas sem valor (Fp3.7-8)

 

4. Por que está errado acusar a lei por causa de nossa depravação?

            Resposta: Porque não é a lei que nos deprava, ela apenas realça a depravação que já está em nós, devido ao pecado. A lei reflete o caráter santo de Deus, que quando comparado ao nosso caráter, realça a nossa depravação.

 

5. Até que ponto você se identifica com a luta de Paulo contra o pecado nesses versículos?

            Resposta: PESSOAL.

 

6.Por que seria errado acusar a lei pela morte espiritual de Paulo (v.13 e 14)?

            Respostas: Porque não é a lei que o induz a morte espiritual mas o pecado que está em sua carne, que o induz a essa morte. Quando a carne pecaminosa entra em contato com a Lei ela agita em descumprir essa lei, e é a carne que batalha para que isso ocorra!

 

 

7. De acordo com os versículos 14-20, por que Paulo se sente tão miserável?

            Resposta: Porque quando ele se avalia com honestidade em relação ao padrão justo da lei de Deus, percebe como ele é deficiente e depravado.

 

8.No capítulo 6, Paulo afirma que os cristãos não são mais escravos do pecado. Ainda assim, ele diz que é escravo do pecado (v.14). Como você explica essa diferença??

            Resposta: O pecado não mais controla o homem por inteiro (como ocorre com um incrédulo; cf 6.6), mas mantém cativo os membros do cristão, ou o seu corpo carnal (v.23; cf.v.18). O pecado o contamina e frusta seus desejos interiores de obedecer à vontade de Deus

 

9. Paulo compara sua luta contra o pecado a uma guerra em que o inimigo é o pecado (v.23). Descreva a natureza e as consequências dessa guerra (v.21-23).

            Resposta: A natureza da guerra - Seu pecado não flui de seu novo e mais profundo ser redimido, mas de sua humanidade não redimida, sua carne. A carne serve como uma base a partir da qual o pecado opera na vida do cristão. Ela não é inerentemente pecaminosa, mas pelo fato de ser caída, está sujeita ainda ao pecado e totalmente contaminada.

Consequências da guerra - aparência de um dualismo, onde o corpo é mal e a mente é boa, contudo não é isso que Paulo está afirmando. Paulo, assume a sua culpa pelo seu pecado, e é isso que devemos fazer, não podemos por a culpa do nosso pecado na nossa natureza não redimida.

 

10. Como a angústia de uma pessoa por causa do pecado e sua luta contra esse pecado podem ser vencidas (Rm 7.24-25)?

            Resposta: A primeira parte do v.25 responde a pergunta, dizendo que quando Cristo retornar, agora sim ele se encontrar livre dessa angústia que a sua natureza não redimida o provoca.

 

11. Por que é importante perceber que somente Cristo pode nos salvar do poder do pecado?

            Resposta: Porque se apoiarmos em nossa própria força, ou em outros homens, vamos ver que ele também são falhos, e que eles também se frustam com o pecado que há neles! Somente Deus é poderoso e soberano, Ele é suficiente para nos livrar de toda culpa do pecado!

 

Lição 10

A vida pelo Espírito

Romanos 8.1-17

1. Quantas vezes aparece a palavra Espírito nos versículos 1-17?

            Resposta: De 17 a 18 vezes (varia de acordo com a tradução). Contudo dessas vezes, 13 referem-se ao Espírito Santo.

 

1B. Se formos incapazes de derrotar o pecado como não cristãos  - e de fato somos - e como cristãos?

            Resposta: Pelo fato do Cristão ter nele o ES, ele é capaz de vencer o pecado, ainda mais, o pecado já está vencido, o cristão não deve se sentir constrangido a viver a favor do pecado (v.12)

 

2. Em Romanos 7, ficamos sabendo como a lei do pecado trouxe a morte espiritual. O que Deus fez para livrar-nos da lei do pecado e da morte (v.1-4)?

            Resposta: Cristo em sua morte e ressurreição nos libertou da lei do pecado e da morte. A lei foi criada por Deus, e apesar dela ser boa, santa e justa em contato com o pecador, por causa da fraqueza da carne ela produz apenas pecado e morte (Rm 7.5,13).

A condenação de Deus do pecado foi totalmente despejada sobre a carne sem pecado de Cristo (Is 53.4-8; cf Fp 2.7).

 

3. Como isso afeta o resultado de nossa luta contra o pecado descrita em 7.13-25?

            Resposta: Não somos escravos do pecado e nem devemos viver como se fôssemos (vs.12,15). Não se paga pelo mesmo crime 2x. Apesar do pecado contaminar e frustar ele não traz condenação para o cristão, no sentido de que este perderá a sua salvação, e terá que pagar novamente o preço.

Não a discordância entre o capítulo 7 e o 8, isso prova-se pelo "Agora, pois", unindo os capítulos.

 

4. Nos versículos 5-8, Paulo classifica a humanidade em duas categorias: aqueles que vivem segundo a natureza pecaminosa e aqueles que vivem de acordo com o Espírito. Em suas próprias palavras, descreva as características de cada grupo.

            Resposta: Incrédulos = satisfazem as paixões da sua carne não redimida (v.5); estão como mortos (v.6); hostis a Deus, todas as ações de um incrédulo por mais que pareça boa, ela procede de um coração em rebeldia e por isso não é agradável a Deus (v.7,8)

Cristãos = encontram satisfação na obediência a vontade do Espírito (v.5); a pessoa com a mente voltada para as coisas do Espírito está muito viva espiritualmente e em paz com Deus (v.6)

 

5.Há muitos cristãos professos cuja vida parece ser muito diferente da descrição de Paulo da vida no Espírito. Qual a razão que Paulo dá para esse fato?

            Resposta: A vida no Espírito descrita por Paulo, é uma vida em santidade, que não cede aos desejos da carne! Contudo os cristãos professos que não vivem assim, recebem duas razões para isso. A 1ª v.9 - O Espírito de Deus faz de cada pessoa que crê em Jesus Cristo a sua morada. Quando não há evidências de sua presença pelo fruto produzido, a pessoa não declarou, de maneira legítima, Cristo como seu Salvador e Senhor.

A 2ª v.13 - quando nos convertemos, não significa que nunca mais pecaremos, contudo, como afirma o apóstolo, o Espírito nos dá energia e força para matarmos, de modo contínuo e gradual, os nossos pecados, um processo que não se completará nessa vida. Os meios usados pelo Espírito para realizar esse processo é a nossa obediência fiel às simples ordens da Escritura.

 

6. Que evidência você percebe em você mesmo de que sua vida é controlada pelo Espírito?

            Respostas: PESSOAL

 

7. Quais são os resultados de ter o Espírito vivendo em nós (v.10 e 11)?

            Resposta: O maior e grande resultado é que o Espírito Santo habitando na pessoa, traz vida a um corpo mortificado pelo pecado..

 

8. No versículo 12, Paulo conclui que temos uma obrigação. Descreva com suas próprias palavras os aspectos negativos e positivos dessa obrigação (v.12-14)

            Resposta: Primeiro precisamos entender qual é a nossa obrigação. E ela é, vivermos conforme o Espírito Santo.

Aspectos Negativos - não viver conforme essa obrigação declara-se que este não é filho de Deus (v.14)

Aspetos Positivos - vencemos o pecado que em nós habita e que nos mata (v.13b); recebemos vida (v.13c); somos adotados por Deus (v.14)

 

9. Paulo afirma que "se vocês viverem de acordo com a carne, morrerão" (v.13). Como isso pode ser conciliado com o seu ensino sobre a justificação pela fé?

            Resposta: Relembrando o capítulo 3.21-5.21 de Romanos, que enfatiza a Justificação pela Fé, vimos que Justificação é Deus, graciosamente, concedendo uma justiça proveniente dele com base apenas na fé. Deus declara um pecador justo somente com base nos méritos da justiça de Cristo. Deus imputou o pecado do ser humano na conta de Cristo na sua morte sacrificial e imputou a obediência perfeita a Lei de Deus por Cristo aos cristãos. O pecador recebe esse dom da graça de Deus apenas pela fé.

Isso se concilia com o v.13 da seguinte forma - a santificação, obra pela qual Ele torna justos, aqueles já justificados, o que é diferente da justificação, mas sempre a acompanha sem exceção. Logo, se não há um processo de santificação, se a pessoa vive conforme a carne, nela não habita o Espírito. Ela não foi justificada.

 

10. Falando em termos práticos, o que significa fazer morrer os atos do corpo pelo Espírito (v.13, 14)?

            Resposta: É permitir ser guiado pelo Espírito ao ponto dê, quando o corpo desejar a prática do pecado, o cristão conseguir negar esse desejo e deixá-lo de praticá-lo, e assim abandonar suas ações pecaminosas.

 

 

10B. O que poderia ajudar você nesse propósito?

            Resposta: PESSOAL -  - ter em mente Gálatas 5, quais os frutos do ES e os frutos da carne.

 

11. Como nós vivenciamos a realidade e os privilégios de sermos filhos de Deus (v.15-17)?

            Resposta: A realidade se baseia na paz que um filho de Deus tem,  esse não vive mais atemorizado, por causa da sua vida de pecado, e ainda a realidade de sermos adotados por Deus, na cultura romana para um adoção ser validada necessitava de pelo menos 7 testemunhas, a nossa adoção é validada pela presença do ES, não por meio de uma voz interior mística, mas pelo fruto que produz em nós (Gl5.22-23) e pelo poder que ele fornece para o serviço espiritual (At1.8).
E os privilégios se baseiam na herança, somos herdeiros da salvação eterna, a glória e tudo que há no universo. Somos coerdeiros - Deus nomeou o seu filho para ser herdeiro de todas as coisas (Hb1.2). Todo filho adotado receberá, pela graça divina, toda a herança que Cristo recebe por direito divino.

E a prova da glória final do cristão é que ele sofre - seja por zombaria, injúrias ou perseguição - por causa do Senhor (2 Tm 3.12)

 

11B. Como isso pode encorajar você em sua tentativa de fazer morrer hábitos pecaminosos?

            Resposta: PESSOAL

Lição 11

Mais que vencedores

Romanos 8.18-39

 1. Quais as palavras e imagens vivas nesses versículos enfatizam as dificuldades da era presente??

            Resposta: Sofrimento (v.18); cativeiro da corrupção (v.21); angústias (v.22); fraqueza (v.26); tribulação, perseguição, fome, nudez, perigo, espada (v.35)

 

2. Explique por que essas dificuldades não se comparam com a glória que será revelada em nós.

            Resposta: O cristão está de passagem na Terra, e aguarda ansiosamente a volta de Cristo. V.19 - toda a criação é personificada para estar, por assim dizer, ansiando pela transformação da maldição e seus efeitos. Quando Cristo voltar, os filhos de Deus compartilharão de sua glória.

 

3. Como pode nossa "grande expectativa" (v.19) nos ajudar  a lidar com os nossos problemas e sofrimentos?

            Resposta: Ao sabermos que o que passamos hoje e momentâneo e o que Deus tem para nós é muito maior! Estamos de passagem e somos vitoriosos, somos como uma criança já adotada porém ainda mora no orfanato, na espera de seus pais adotivos.

 

 

4. Como pode a ajuda do Espírito Santo nos encorajar (v.26, 27)?

            Resposta: O ES nos sustenta, Ele é a "fonte dos desejos" e vontades de Deus no cristão. Ele nos sonda e intercede por nós junto ao Pai e sabemos que a presença dele impede a vitória do pecado.

 

5. Leia Romanos 8.28-29. Descreva o tipo de emoção que esse texto expressa.

            Resposta: Pessoal, pelo fato de que há emoção parte do leitor não do autor do texto, contudo, de forma geral as emoções percebidas por aqueles que leem esses versículos são de alegria, vitória, prosperidade.

 

6. No versículo 28, Paulo fala do "bem" e "seu propósito". Qual é o bom propósito de Deus para nós (v.29)?

            Respostas: Bem = Redenção Final; Propósito = sermos conforme à imagem de Seu Filho.

Tudo que acontece na vida do cristão em sua providência, Deus orquestra cada acontecimento da vida mesmo o sofrimento, a tentação e o pecado com o objetivo do cristão ser moldado a imagem de Cristo (v.29)

 

7. Como a expressão "conheceu de antemão" e as palavras "predestinou, chamou, justificou e glorificou" nos ajudam a entender de qu forma Deus cumpre o seu propósito por nós?

            Resposta: Aqueles que Deus escolhe, ele destina para seu propósito final - que é a semelhança com o seu Filho. Os pais podem conceder amor, recursos e herança a um filho adotivo, mas não suas próprias características peculiares. Mas Deus, de maneira milagrosa, concede a sua própria natureza àqueles a quem ele elegeu e que creu em Cristo. Ele os torna seus filhos à imagem e Seu Filho divino, concedendo a eles não só as riquezas de Cristo, mas também sua própria natureza

 

8. Paulo pergunta: "que diremos, pois, diante dessas coisas" (v.31). Como você é encorajado pela resposta de Paulo (v.31, 32)?

            Resposta: PESSOAL, Já que Deus deu a dádiva suprema de seu Filho para nos salvar certamente nos dará também todo o necessário para levar a cabo a obra iniciada na cruz.

 

9. Nos versículos 33 e 34, Paulo imagina o tribunal no qual Deus é o juiz e Jesus é o nosso advogado de defesa. Como e por que eles responderiam a quaisquer acusações contra nós?

            Resposta: Satanás e nossa própria consciência sempre nos acusam e tentam fazer com que nos sintamos indignos do amor de Deus. A ideia central de Paulo é que tais acusações não podem ser sustentadas e que elas nem sequer existem. Nenhuma acusação formal pode ser levantada contra o cristão, porque Deus já lhe emitiu um veredicto de "inocência"

 

10. Como podem tribulação, angústia, perseguição, fome nudez, perigo ou espada fazer-nos duvidar do amor de Deus por nós (v.35, 36)?

            Resposta: Por experiência própria Paulo sabia  quão difícil é passar por essas experiências sem duvidar do amor de Deus! O sofrimento não fez separação entre crentes e Cristo, mas na realidade, os conduz em direção ao alvo final

 

11. A despeito de todas essas coisas, por que Paulo proclama que nós somos "mais que vencedores" (v.37-39)?

            Resposta: Porque aquele que está em nós já venceu todas essas coisas na cruz, e Ele é não só o Salvador da nossa vida, Ele também é Senhor, ele direciona-nos

 

11B. Como podem esses versículos nos dar conforto e segurança em meio às dificuldades?

            Resposta: PESSOAL

Lição 12

O OLEIRO E SEU BARRO

Romanos 9.1-29

 

1. Na posição de judeu e apóstolo de gentios, por que Paulo teria fortes sentimentos a respeito do assunto tratado nesta passagem?

            Resposta: Porque essa passagem trata da incredulidade de Israel que traz rejeição sobre si.

 

2. Por que Paulo tem grande tristeza pelo povo de Israel (v.1-5)?

            Resposta: Paulo mostra que o fracasso de Israel não invalida a promessa de Deus nem nega a Sua justiça. Seu profundo lamento por Israel indica que foi culpa da nação e não de Deus, que seu excepcional conjunto de privilégios tenha sido "fracassado".

 

3. Como os versículos 6-13 demonstram que Deus não falhou em suas promessas e propósitos para Israel?

            Resposta: A suposta inconsistência entre a promessa e a realidade não é válida porque: (1) nem todos os israelitas por descendência física são verdadeiramente israelitas (9.6-9); e (2) o programa de Deus sempre foi a seleção de alguns, mas não de todos (9.10-13). Não adianta ser descendente de Abraão para ser herdeiro da promessa. A prova disso é a própria História - Ismael e Esaú

 

4. Como você reage à ideia da eleição (v.11), na qual Deus escolhe certas pessoas para ser alvo de sua misericórdia?

            Resposta: Deus elege conforme a sua vontade, ela é particular e não destina-se a grupos. Paulo não discute com o interlocutor imaginário (19, 20).

"Sempre que fixarmos a atenção na eleição das pessoas haverá a sensação de injustiça. Por isso a atenção da eleição deve fixar em Deus."

5. Muitas pessoas pensam que é injusto Deus escolher alguns e não outros (v.14) Em resposta, por que Paulo fala da misericórdia de Deus em vez de sua justiça ou injustiça (v.15-18)?

            Resposta: Deus escolhe de modo SOBERANO, aqueles que servirão o Seu propósito!

E a soberania de Deus é algo absoluto, não questionável, pois é inexplicável. Lembrando: Paulo não estava escrevendo aquilo que ele achava, mas aquilo que Deus o inspirou para escrever - 2 Tm3.16

6. Até onde você pode se identificar com a objeção levantada no versículo 19?

            Respostas: PESSOAL

 

7. Como a ilustração do oleiro e do barro ajuda-nos a adquirir uma perspectiva própria?

            Resposta: Paulo afirma que é tão irracional e arrogante que os seres humanos questionem a escolha de Deus de determinados pecadores para a salvação quanto um objeto de barro questionar os propósitos do oleiro

 

8. Como são reveladas a misericórdia e a justiça de Deus na forma como ele trata os gentios e judeus (v.24-29)?

            Resposta: A misericórdia de Deus para com os gentios já havia sido revelada pelo profeta Oseias, de que ela seria estendida (24-26).

E para com os judeus pelo fato de ter se mantido preservada em alguns em Israel (27-29)

9. Como alguém que já esteve separado de Deus e condenado, de que forma você, agora, reage à afirmação que Deus faz de você como "meu povo", "minha amada", e "filhos do Deus vivo" (v.25 e 26)?

            Resposta: PESSOAL

 

10. Conta-se que, quando nos aproximamos dos portões do céu, leremos: "Quem deseja entrar que entre". No entanto, ao passarmos pelo portões e olharmos para trás, leremos: "Escolhidos antes da fundação do mundo". Você considera essa história útil ou não? Explique.

            Resposta: PESSOAL, depende do quanto você crer em eleição!

     

 Lição 13

UM ZELO SEM CONHECIMENTO

Romanos 9.30-10.21

 

1. Quais as indicações há nessa passagem dos vários pensamentos e emoções de Paulo sobre o povo de Israel?

            Resposta: Paulo tem grande preocupação para com o povo de Israel, e o desejo dele é que o povo consiga entender e aceitar verdadeiramente o evangelho genuíno (10.1)

E ainda lembrar ao povo que não há distinção de judeus e gentios.

2. Por que Jesus Cristo foi mais que uma pedra de tropeço aos judeus do que aos gentios (Rm 9.30-33)?

            Resposta: Por causa da Incredulidade dos Judeus! "A tragédia de tal 'fracasso' é que Cristo, O Messias a quem eles rejeitaram em favor de sua tradição, por causa da incredulidade, tornou-se uma pedra de tropeço" (Carlos Osvaldo Pinto)

 

3. Em Romanos 10.2, Paulo afirma que os israelitas têm "zelo por Deus". Por que esse zelo não é encontrado na humanidade depravada conforme a exposição de Paulo em Romanos 3.10-18?

            Resposta: Porque o zelo por Deus era sem a submissão ao Messias, eles tinham consciência da verdade sem obedecê-la!

 

4. Muitas pessoas acreditam que tudo o que precisa para ser salvo é o zelo e a sinceridade religiosos. Com base nas palavras de Paulo em Romanos 10.1-4, como você responderia a essa ideia?

            Resposta: Essa afirmação é falsa, pois foi assim que os judeus viviam, eles sabiam muito, respeitavam as cerimônias, porém não se foram submissos ao Messias!

"Ser muito religioso não garante Salvação, se garantisse a salvação estaria baseada em obras"

5. Em Romanos 10.6-8, Paulo repete Deuteronômio 30.11-14 para descrever a justiça pela fé. Como os versículos 6-8 enfatizam a simplicidade dessa justiça?

            Resposta: O que Paulo quis dizer é que a justiça pela fé não requer uma odisseia impossível através do Universo  para encontrar Deus,Deus revelou claramente o caminho para a Salvação: a Fé! 

 

5b. Como isso difere da justiça baseada na lei (v.5)

            Respostas: A justiça baseada na lei, é nas suas obras, ações, em cumprir toda a Lei

 

6. No seu batismo, os cristãos do sec. I confessavam publicamente que "Jesus é o Senhor". Por que é importante confessar publicamente o que está em seu coração (v.9-13)?

            Respostas: 1º Porque os homens não sabem o que está no coração um do outro; 2º Para que publicamente você declare a sua fé e concorde verbalizando com a declaração do Pai de que Jesus é o Salvador e Senhor.

 

7. De quais maneiras você tem confessado publicamente sua fé em Cristo?

            Resposta: PESSOAL

 

8. Qual o significado da frase "não há distinção" em Romanos 3.22 e da frase "não há diferença" em Romanos 10.11-13? Em que sentido elas não são iguais?

            Resposta: Paulo está falando de temas diferentes. No texto de 3.22 - Condenação; Em 10.12 de Salvação. No primeiro texto Paulo parecia cruel, pois ele acusava a judeus e gentios de pecarem contra Deus, com isso, não havia distinção - todos estão condenados;

No segundo estágio, é o período da graça, NÃO HOUVE distinção ela está para judeus como está para gentios

9. Há muito tempo, o dr John C. Ryland disse a Willian Carey: " Quando Deus resolver converter o ímpio, ele o fará sem a sua ajuda ou a minha". Como esse entendimento da soberania de Deus conflita com os versículos de Romanos 10.14-15?

            Resposta: Não é que Deus NECESSITE, no sentido de Nele haver alguma incapacidade. Mas Deus decide nos usar para falar, pregar o evangelho. Pois a fé vem pelo ouvir da Palavra de Deus, logo para se ouvir precisa que alguém fale

 

10. Willian Carey respondeu ao chamado de Deus e foi para Índia. Para onde você se sente chamado para ir pregar o evangelho (Rm 10.14-15)

            Resposta: PESSOAL

 

10B. Que passos você deve dar para obedecer a esse chamado?

            Resposta: PESSOAL

 

11. O que Romanos 10.16-21 revela sobre as razões para a incredulidade de Israel? O que há de semelhante ou de diferente quanto às razões que as pessoas têm hoje para serem céticas a respeito do evangelho?

            Resposta: As razões para incredulidade se basearam, na "alto suficiência" do povo, que achava que O Messias seria somente para Ele! Eles não percebiam a própria Escritura!

A diferença para hoje, é que: Nem todos tem o acesso a Palavra, e também não são conhecedores como no passado (quanto a estudo); A semelhança: A alto suficiência da população, o orgulho!

 

 

 

 

 

Artigos recentes sobre "Educação Cristã"
 

PRIMEIRA IGREJA BATISTA DA ILHA DO GOVERNADOR - Rua Gaspar de Souza, 78 - Zumbi - Tel: 21 2467-3802

Copyright 2011- - Todos os direitos reservados - Proibida reprodução do conteúdo deste site sem devida autorização

Tenha um site igual a este